sábado, 28 de Novembro de 2009

A Vitória de Pirro

Acabaram as eleições para a Concelhia do PSD do Porto com a vitória muito previsível da Lista A. A expectativa era em volta do nosso resultado (30%)
Da nossa parte, como Lista R, procuramos contribuir para o debate político da maneira que sabemos. Com ideias e com vontade de fazer mais e melhor.

O resultado não nos surpreende. Surpreendente foi o resultado obtido nas eleições para a Assembleia Distrital onde se atingiu 48% do eleitorado. É certo que aqui o empenho e a procura de manipulação dos eleitores foram muito mais reduzidos.
Uma nota fica como a mais significativa destas eleições. A Lista vencedora não tinha um programa político. Bastou-lhe invocar o nome do nosso companheiro Rui Rio para ganhar. E bastou.

Aqui chegados uma reflexão urge fazer. Vou apoiar-me no artigo de Pedro Santana Lopes (PSL) no Sol (27.11.2009) intitulado “O PSD pode acabar?” e na entrevista de António Barreto ao jornal I (28.11.2009).
PSL diz “no PSD não se discutem ideias nem programas” e salientando o facto que o PSD não ultrapassa os 29% de eleitorado porque se continua a disfarçar as causas que estão na origem desta situação.
Concordo com PSL quando diz que ir já para directas é disparate.

Necessitamos de saber o que pensam as pessoas que querem liderar o PSD.

António Barreto diz mesmo que “ Portugal está à beira da irrelevância, talvez do desaparecimento”. Barreto diz com a autoridade de quem não teve medo de apoiar Sá Carneiro num outro momento difícil da vida portuguesa. Hoje a politica não é uma vocação mas antes uma carreira e Barreto define que os políticos o que querem é gente que “participe, mas que se limitem a subscrever, e passivamente. Se se quiser participação há que respeitar as pessoas, dando-lhes conhecimento, informação e manifestando respeito pelas opiniões contrárias. Participar é isso. Quando não se quer que as pessoas participem faz-se propaganda: exigindo obediência ou impassibilidade.”

Nas eleições da Concelhia do PSD do Porto aconteceram muitas coisas. A tentativa de ligar o sucesso de Rui Rio à condução politica do partido quando isso não estava em causa.

O facto de se procurar insistir numa ideia que por absurda impedia a unidade connosco.

Rui Rio vai continuar a sua existência enquanto muitos dos nossos oponentes não terão lugar a uma nota de rodapé neste caso

Existe acima de tudo uma certeza. Todos nos conhecemos o suficientemente bem para saber que, muitas vezes, o que une não são as convicções antes os interesses.

A história irá explicar o que aconteceu. Nós vamos continuar a andar por aí. Com mais força, com mais vontade e mais determinados.

Obrigado aos militantes do PSD. A Todos porque a vitória é deles. Ao participarem criaram condições para fazer desaparecer o medo. Agora é mais fácil fazer politica no PSD do Porto.

Contem connosco para o futuro.

Afinal todos sabemos o que aconteceu a seguir á vitória de Pirro.

ANTÓNIO TAVARES

sexta-feira, 27 de Novembro de 2009

Apresentação da Candidatura (Em directo) I




Sala cheia na apresentação da Lista R aos militantes. Membros da Lista, mas também muitos militantes anónimos. Sessão a iniciar-se dentro de minutos, cumprido que está o tradicional atraso lusitano.

Apresentação da Candidatura (Em directo) II

Fala o mandatário, Joaquim Sousa Patrício, um fundador do Partido. Discurso ideológico, muito focalizado nos valores sociais-democratas.

Apresentação da Candidatura (Em directo) III

O discurso integral do Mandatário, Engº Joaquim Sousa Patrício:

Meus Caros Amigos e Companheiros,

O discurso político que hoje e aqui temos de ouvir, é o do futuro Presidente da Comissão Política Concelhia do PSD do Porto, Dr. Luís Artur. A mim compete-me exaltar os valores que esta Lista, porque vencedora, deve defender na Sociedade e junto das Estruturas do Partido.
A nossa matriz ideológica social-democrata e reformista é um valor incontornável e sagrado que nos cumpre defender e reforçar. Vivemos hoje numa economia de mercado num mundo globalizado que nós aceitamos sob determinadas normas reguladoras, onde o poder político prevaleça inequivocamente sobre o poder económico e o modelo social seja balizado por valores de verdadeira justiça social.
Uma das principais debilidades de que padece actualmente a nossa Sociedade é a da pobreza, decorrente de um persistente e elevado desemprego, pelo qual 625.000 nossos concidadãos serão previsivelmente atingidos em 2010. Isto deve-se não apenas à crise internacional, mas também às nossas várias fragilidades estruturais que precedem a crise financeira em vários anos.
É gritante a enorme disfunção do nosso sistema produtivo, bem visível nos escassos 28% do PIB que provêm da Agricultura, Pescas e Indústria. Urge que produzamos mais, principalmente em produtos de maior valor acrescentado e que contribuam para o crescimento das nossas exportações. A situação económica actual e a previsível para os próximos anos é de tal forma ameaçadora, que poderá obrigar a decisões drásticas nas diferentes áreas da governação e, quiçá, pôr em causa o próprio sistema político.
Mas é nestes momentos de crise aguda que se impõe a nós, sociais-democratas, a procura de soluções verdadeiramente reformistas que constituam um efectivo apoio às camadas mais desprotegidas da população.
Também por isso, as comissões políticas devem integrar apenas mulheres e homens sem apego ao poder, que saibam e queiram lutar por valores morais e éticos caldeados por uma adequada sensibilidade política, que saibam ouvir e agir sempre fiéis aos seus princípios, encimados por aqueles que distinguem os verdadeiros sociais-democratas, a tolerância e a solidariedade social.
Confúcio, que pontificou há milhares de anos na civilização chinesa, social e culturalmente muito diferente da nossa, distinguia três tipos de relacionamento entre os homens:
a) Uma relação de subordinação, como se verificava nos súbditos perante o
Imperador;
b) Uma relação de dependência, como a existente nos filhos perante os pais ou nos irmãos perante o irmão mais velho;
c) Finalmente, uma relação de independência, que é a que existe entre os Amigos, bem mais equitativa e transparente que as anteriores.
É aqui que eu me revejo nesta Lista, constituída por cidadãos comuns, mulheres e homens LIVRES interessados e preocupados com a esfera pública e cívica da Sociedade, e onde não há qualquer relação de subordinação ou de dependência, seja entre si próprios ou perante terceiros. Infelizmente, sabemos de outros agrupamentos políticos em que a dependência é tal, que roça a subserviência e a promiscuidade de valores.

Meus Caros Amigos e Companheiros,

É na qualidade desta Lista e na integridade dos seus membros que se alicerça o seu potencial ganhador. Mas para que a vitória seja uma realidade, é imperativo que nos mobilizemos e mobilizemos outros Companheiros para exercerem o seu direito e dever de votarem.
O valor desta Lista é sem dúvida o fundamento da Esperança de vencermos as eleições no próximo dia 27.

Lista
R

VIVA O PSD!!! VIVA PORTUGAL!!!

Apresentação da Candidatura (Em directo) IV

Fala o cabeça de lista, Luís Artur Pereira. Mensagem principal: mudança.


O País tem de mudar, só muda com o PSD no Governo, mas o PSD tem de mudar primeiro. Mudar de atitude e postura e, sobretudo, questionar-se sobre as razões de tâo longa ausência do poder.


A mudança deve começar no Porto, o berço do Partido. O Porto tem de voltar a ganhar importância a nível nacional e só o consegue com a defesa de propostas consistentes em prol dos seus interesses. A Regionalização, o emprego, a autonomia do aeroporto Sá Carneiro, são temas estruturantes e fundamentais ao relançamento de uma das regiões mais pobres da Europa. Uma Comissão Política jamais poderá ignorar estes temas, com impacto significativo nos interesses das populações e tem de ser pró-activa na sua defesa.


Papel importante terá o Conselho de Opinião na fundamentação de propostas da Comissão Política.

Apresentação da Candidatura (Em directo) V

Fecha a sessão António Tavares, candidato a Presidente da Mesa do Plenário.


Paralelismo com Mota Pinto que, quando 1º ministro, afirmou várias vezes que trazia sempre a chave do seu carro pessoal no bolso. Melhor do que ele, os membros da Lista R, ganhem ou percam, continuarão a usar o seu carro pessoal.


A vitória esteve perto nas recentes eleições para a Assembleia Distrital. É possível que ela se concretize amanhã nas eleições para a Comissão Política.


Apelo final à mobilização e ao voto. O voto é secreto, não há que ter medo.

Comunicado da Lista R

Caras (os) Companheiras (os),


Face aos últimos desenvolvimentos de campanha, em que a lista A dá sinais claros de nervosismo, como prova a entrevista ontem publicada pelo JN, do meu concorrente Paulo Rios, as pressões inadmissíveis, que têm sido feitas sobre companheiros, não se olhando a meios, as mentiras e calúnias que são continuamente lançadas, levam-me a ter que responder, repondo a verdade dos factos, porque como diz o povo "Quem não se sente, não é filho de boa gente":

1. Lancei um repto ao Dr. Paulo Rios, para um debate público, com vista a serem apresentadas as propostas de cada candidatura, junto dos militantes, para que estes livremente decidissem o seu voto em consciência;

2. Note-se que lancei, este repto, depois do Presidente da Assembleia de Secção, ter recusado a marcação de um plenário de militantes, para o mesmo fim, e como aliás foi feito nas ultimas eleições para a concelhia, há dois anos;

3. O Dr. Paulo Rios e a lista A, demonstram ao recusar o debate, desprezo pelos militantes, na linha de continuidade anterior, que não tem propostas, e porque sabe que no um para um comigo, perderia por muitos, este debate;

4. A lista A, prefere as pressões, algumas delas inqualificáveis, sobre os militantes, ao velho estilo, de antes do 25 de Abril, de "Quem não é por mim é Contra Mim", e que eu jamais imaginei num partido de Liberdade, fundado por Francisco Sá Carneiro;

5. Quando se chega ao extremo, de na citada entrevista, afirmar " de que com eles o clima de unidade não é possível", é demonstrativo de pensamento único e de unicidade, que essa sim rejeitamos em absoluto, porque o PSD, tem que ser um partido de militantes livres;

6. A lista A, não consegue já esconder, a teia de cumplicidades de interesses, de empregos, junto do poder autárquico municipal, e dos "sindicatos" de votos, que mais parecem um "polvo", nada digno dos princípios do nosso PPD/PSD;

7. E assim, quando a luta política não é feita por ideias e com ética, vale tudo. Há factos graves, que se tem passado ultimamente no PPD/PSD do Porto, e que não os divulgamos publicamente, por decoro, em respeito ao nosso partido, e a uma personalidade, que devia estar acima de tudo isto, ( e nesta altura, sinceramente já duvido que mereça a nossa consideração pessoal) mas face ao que se tem passado, é altura de os militantes conhecerem a verdade do vale tudo:

7.1 Nas recentes eleições para a Assembleia Distrital, em que a lista R, teve um excelente resultado, poderia ter impugnado as eleições, pois de forma grave, e na lógica do poder absoluto, e da impunidade reinante, a lista A estava ilegalmente constituída;

7.2 Um conjunto significativo de candidatos, não constavam do caderno eleitoral, e por tal motivo não o poderiam ser, o que a serem retirados, a lista A ficaria sem o numero mínimo, e portanto não poderia ser sufragada; A juntar a isto, um conjunto de candidatos, (confirmado por muitos), que não assinaram o respectivo termo de aceitação.Vale tudo, até a incompetência da Mesa da Assembleia de Secção;

7.3 Perante esta situação e num gesto de unidade, resolvemos nada fazer;


Caras (os) Companheiras (os),


Como dizia Sá Carneiro, " A política sem risco é uma chatice e sem ética é uma vergonha"

Queremos um partido de militantes livres, será essa a nossa luta,


Um abraço amigo,
Luis Artur

Programa da Candidatura


Caro(a) Companheiro(a) e Amigo(a),


Tenho a honra de liderar um grupo de companheiros, que se candidatam aos órgãos de Secção do PSD Porto, em eleições que se realizam no próximo dia 27de Novembro de 2009.

Orgulho-me da minha militância de 33 anos no PSD e tenho da política um sentido ético de serviço aos cidadãos. Sou, por isso, convictamente candidato, sem ser “empurrado por ninguém”, em nome de um Projecto que quer devolver o PSD concelhio do Porto às Bases, porque acredito que o valor da militância é insubstituível e representa a verdadeira autenticidade do PPD/PSD do Porto.

Sensível aos desafios dos tempos, quero que o PSD lidere e promova na sociedade portuense as reformas, a livre criatividade e o debate entre as concepções do Homem e da Sociedade. Desde a preservação do Ambiente, à promoção da Cultura e do Património, da importância do Lazer, do Desporto, do Trabalho e da Família à afirmação Económica e Social. Ou seja, a Promoção da Qualidade de Vida, num direito à Felicidade dos Portuenses.

Desejo reforçar a nossa matriz fundadora – o reformismo social democrata – pelo que afirmamos a aposta e a crença no livre debate de ideias, e na participação e intervenção dos cidadãos do Porto, como forma de aprofundamento da democracia política, aproximando os eleitores dos eleitos.

Entendo da maior importância a renovação dos órgãos dirigentes – para que “não sejam sempre os mesmos” – de modo a aperfeiçoar a democracia interna, promover o livre debate, e criar condições à participação e capacidade de decisão dos militantes. Em suma, para afirmar o PSD Porto num espaço de liberdade, democracia e solidariedade.


Defendemos um conjunto de propostas, que reforçarão a intervenção dos militantes e a acção política do PSD:


ORGANIZAÇÃO INTERNA – ACÇÃO, PARTICIPAÇÃO, FORMAÇÃO E ESTUDOS
com Todos, para Todos!

Participação e Representação dos militantes, dos Núcleos, da JSD, dos TSD e dos Autarcas – Propomo-nos revitalizar a Acção da Comissão Política de Secção, através da promoção de um conjunto de iniciativas: Reuniões de trabalho regulares; Actividades temáticas que envolvam todos os militantes; Actividades públicas e acções políticas calendarizadas com o envolvimento da sociedade civil.

Conselho Consultivo – Instituiremos um Conselho Consultivo composto por militantes de base, quadros do PSD e independentes, uns designados antes e outros depois das eleições, de forma a manter aberta a possibilidade de colaboração com o PSD do Porto, a todos os que para o efeito se sentirem motivados. O Conselho Consultivo funcionará, de facto, como órgão de consulta da Comissão Política, com quem reuniremos mensalmente.

Conselho de Estudos – Porque entendemos que há muito que o PSD deixou de “estudar”, apostamos na criação de um Conselho de Estudos. Este órgão, liderado também pelo coordenador do Conselho Consultivo, funcionará com composição variável, em função dos temas a estudar. A exemplo, um dos estudos a que nos propomos relaciona-se com uma possível reorganização político/administrativa dos núcleos da cidade. Será este um estudo do ponto de vista técnico – com um caderno de encargos, onde obrigatoriamente constem aspectos territoriais, culturais, demográficos, “malha” de transportes, nº eleitores/habitantes e densidade urbana – para posterior debate político.

Formação – Propomo-nos a desenvolver um calendário de acções de Formação Política e Técnica para todos os militantes, simpatizantes e autarcas;

Eleições Primárias – Defendemos a instituição de Eleições Primárias para escolha do candidato a Presidente da Câmara Municipal e dos candidatos a Deputados à Assembleia da República. Neste sentido, apresentaremos ao Congresso Nacional do PSD uma proposta de revisão estatutária, de forma a ver consagrado nos Estatutos este direito dos Militantes.


REGIONALIZAÇÃO, COMBATE AO DESEMPREGO E GESTÃO AUTÓNOMA DO AEROPORTO
pelos Portuenses, pelo Porto, pelo Norte!

Regionalização – Defendemos a Regionalização do Continente como uma relevante prioridade política.

Combate ao Desemprego – Vivemos numa das Regiões mais deprimidas da Europa, com um desemprego crescente e onde a exclusão e a pobreza se acentuam. Somos Sociais Democratas e temos obrigação de encontrar as respostas concretas para melhorar as condições de vida dos nossos concidadãos. O combate ao desemprego será uma prioridade política relevante da nossa actuação.

Gestão Autónoma do Aeroporto Francisco Sá Carneiro – Defendemos a gestão autónoma do aeroporto Francisco Sá Carneiro e não nos “calaremos” politicamente, se, num modelo de privatização da ANA, servir de troca para a construção do novo aeroporto de Lisboa. O aeroporto Francisco Sá Carneiro é crucial para o desenvolvimento do Porto e de toda a região;


2013 – UM NOVO CICLO POLÍTICO NO PORTO
com Responsabilidade, Inteligência e Estratégia Política!

Apoio e Solidariedade Política aos Autarcas Eleitos – Apoiaremos de forma empenhada os nossos autarcas das Assembleias e Juntas de Freguesia, da Assembleia e Câmara Municipal, e, em particular, o Presidente da Câmara Municipal do Porto, na prossecução e cumprimento dos programas eleitorais. Para que não reste a mínima dúvida reafirmamos que o Dr. Rui Rio continuará a ter todo o nosso apoio e solidariedade política, assim como a minha lealdade pessoal. Não obstante, porque queremos um partido de militantes livres, se discordarmos de determinadas politicas, daremos sugestões e apontaremos caminhos alternativos, sempre de forma reservada e responsável.

Preparação de um Novo Ciclo Político – Vai iniciar-se um novo ciclo político no Porto, de certeza com novas personagens como candidatos daqui a quatro anos. Uma coisa é certa, o Dr. Rui Rio não fará parte da solução, pelo imperativo da limitação de mandatos. Não seria sério que a próxima Comissão Política ignorasse este facto, pois o novo ciclo tem que ser preparado atempadamente, com responsabilidade e serenidade. Iniciar a preparação do ciclo não significa, porém, iniciar o processo de escolha de candidatos, pois essa será responsabilidade da comissão política que vier a ser eleita daqui a dois anos.

Inteligência e Estratégia política – O que se espera da nova Comissão Política é, pois, que garanta o apoio ao projecto autárquico liderado pelo Dr. Rui Rio para os próximos quatro anos de mandato e que simultaneamente prepare o caminho para o futuro.


Acredito convictamente que estou preparado e que reúno todas as condições pessoais e políticas para fazer este trabalho, unindo o PSD do Porto, sem excluir nenhum companheiro. Porque Unidade não significa Unicidade. Porque para mim o valor supremo é o da Liberdade. Considero reunir condições naturais de liderança, que permitirão após as eleições unir o PSD do Porto para os grandes desafios que nos esperam enquanto Partido, honrando o legado histórico de Francisco Sá Carneiro.


“Não há Urbanos e Rurais, Não há Liberais e Socialistas, Não há Massas e Vanguardas. Há, sim, os Portugueses e Sociais Democratas que Todos somos”, em “conclusões do VI congresso nacional do PSD”


Um abraço amigo,
Luís Artur